Gloog  
Respostas · Local · Imagens · Vídeos · Notícias
    
Procurar palavra-chave em:          
Answer Search  


O que significa ESPONDILODISCOARTROSE destacando-se protusões discais de L2-L3 a L5-S1? Obrigado...?


Esse foi o diagnostico de uma ressonancia magnetica lombar, por motivos de dores no nervo ciático...
  • 16 Abril 2010

Melhor resposta - Escolhida pelo autor da pergunta

Artrite ou Espondilose Cervical

A artrite cervical afeta a parte superior da coluna vertebral em decorrência da degenerescência das vértebras do pescoço, devido à desintegração dos discos de cartilagem que as protegem. A compressão dos nervos da espinha dorsal faz com que estes se inflamem gerando intensa dor, não apenas na área do pescoço mas também se irradiando para o braço.
Todos os tipos de artrite, que geralmente começam entre 30 e 50 anos, são qualificados como processos naturais do envelhecimento. Por isso, caso medidas reversivas não sejam tomadas desde o início, o quadro se agravará com o avanço da idade. Embora a maioria dos que chega aos 50 anos apresente certo desgaste nessa região, nem todos desenvolverão uma artrite cervical, apesar de que qualquer traumatismo local ? passado, presente ou futuro ? aumente consideravelmente suas chances.
A artrite cervical, mais comum aos homens, produz sintomas semelhantes a duas condições que mais afetam as mulheres:
A artrite reumatóide problema sistêmico que afeta as membranas sinoviais.
A osteoporose que torna os ossos fracos e quebradiços.
Um dos problemas mais comuns da artrite cervical é a hérnia de disco ? rompimento da cartilagem do disco intervertebral. Apesar de essa situação ser um quadro à parte, ela é comum a cerca de 10% das pessoas com artrite cervical.
O pressionamento das cordas da espinha dorsal ou da raiz de um nervo é suficiente para provocar dores alucinantes e fraqueza nas mãos e braços, perda de sensibilidade ou de senso espacial e uma série de incontinências

Artrite Lombar e Lombossacral

A artrite lombar atinge a parte inferior das costas e a artrite lombossacral, a região da pélvis. A perda da liberdade de movimentos nessas áreas torna o ato de sentar, levantar, abaixar, amarrar um sapato etc. extremamente difícil ou impossível.
Em razão da deficiência no processo de restauração tissular, as cartilagens desgastadas não mais conseguem preencher as funções que lhes cabem ? proteger as vértebras uma das outras, promover sua flexibilidade, absorver o choque dos movimentos físicos etc.

A degeneração das cartilagens também pode estar relacionada à sua desidratação ? fenômeno que geralmente tem início aos 20 anos ?, que tanto pode alterar o posicionamento das vértebras como causar o rompimento dos discos intervertebrais.

Aqui também temos a fricção entre as vértebras desprotegidas como causa do crescimento de esporões nos ossos, da intensidade do fator de irritação/inflamação e da conseqüente aceleração da degeneração da coluna.

Além do aumento da idade, excesso de peso e vida sedentária, qualquer pessoa que tenha passado longos períodos levantando peso ou repetindo qualquer tipo de ação que imponha pressão constante sobre a parte inferior das costas, é candidata à artrite lombar ou lombossacral, embora estas possam ser igualmente iniciadas por um simples foco infeccioso.

Diferentemente dos homens, as mulheres na pós-menopausa têm maior tendência a manifestá-la, embora seu desenvolvimento seja um processo gradativo que leva à cronicidade, apesar da dor poder desaparecer esporadicamente.

Ao espalhar-se pela região pélvica, a dor acaba impondo mudanças na maneira de andar ou até mesmo alterações posturais. Com os joelhos, quadris e tornozelos passando a receber um outro tipo de pressão, cedo ou tarde eles também apresentarão problemas.

A artrite lombar muitas vezes coexiste com a hérnia de disco ou com a inflamação do nervo ciático. A estenose espinhal ? estreitamento do canal da espinha ? é comum a esses quadros.

A dor na região lombar associada à dormência, fraqueza, dor ou qualquer outro problema nas pernas geralmente sinaliza a compressão ou irritação de algum nervo, cujas raízes se encontram na coluna vertebral.
  • resposta em: 16 Abril 2010

  • aprovada em: 20 Abril 2010

Outras Respostas (2)

  • Artrite ou Espondilose Cervical

    A artrite cervical afeta a parte superior da coluna vertebral em decorrência da degenerescência das vértebras do pescoço, devido à desintegração dos discos de cartilagem que as protegem. A compressão dos nervos da espinha dorsal faz com que estes se inflamem gerando intensa dor, não apenas na área do pescoço mas também se irradiando para o braço.
    Todos os tipos de artrite, que geralmente começam entre 30 e 50 anos, são qualificados como processos naturais do envelhecimento. Por isso, caso medidas reversivas não sejam tomadas desde o início, o quadro se agravará com o avanço da idade. Embora a maioria dos que chega aos 50 anos apresente certo desgaste nessa região, nem todos desenvolverão uma artrite cervical, apesar de que qualquer traumatismo local ? passado, presente ou futuro ? aumente consideravelmente suas chances.
    A artrite cervical, mais comum aos homens, produz sintomas semelhantes a duas condições que mais afetam as mulheres:
    A artrite reumatóide problema sistêmico que afeta as membranas sinoviais.
    A osteoporose que torna os ossos fracos e quebradiços.
    Um dos problemas mais comuns da artrite cervical é a hérnia de disco ? rompimento da cartilagem do disco intervertebral. Apesar de essa situação ser um quadro à parte, ela é comum a cerca de 10% das pessoas com artrite cervical.
    O pressionamento das cordas da espinha dorsal ou da raiz de um nervo é suficiente para provocar dores alucinantes e fraqueza nas mãos e braços, perda de sensibilidade ou de senso espacial e uma série de incontinências

    Artrite Lombar e Lombossacral

    A artrite lombar atinge a parte inferior das costas e a artrite lombossacral, a região da pélvis. A perda da liberdade de movimentos nessas áreas torna o ato de sentar, levantar, abaixar, amarrar um sapato etc. extremamente difícil ou impossível.
    Em razão da deficiência no processo de restauração tissular, as cartilagens desgastadas não mais conseguem preencher as funções que lhes cabem ? proteger as vértebras uma das outras, promover sua flexibilidade, absorver o choque dos movimentos físicos etc.

    A degeneração das cartilagens também pode estar relacionada à sua desidratação ? fenômeno que geralmente tem início aos 20 anos ?, que tanto pode alterar o posicionamento das vértebras como causar o rompimento dos discos intervertebrais.

    Aqui também temos a fricção entre as vértebras desprotegidas como causa do crescimento de esporões nos ossos, da intensidade do fator de irritação/inflamação e da conseqüente aceleração da degeneração da coluna.

    Além do aumento da idade, excesso de peso e vida sedentária, qualquer pessoa que tenha passado longos períodos levantando peso ou repetindo qualquer tipo de ação que imponha pressão constante sobre a parte inferior das costas, é candidata à artrite lombar ou lombossacral, embora estas possam ser igualmente iniciadas por um simples foco infeccioso.

    Diferentemente dos homens, as mulheres na pós-menopausa têm maior tendência a manifestá-la, embora seu desenvolvimento seja um processo gradativo que leva à cronicidade, apesar da dor poder desaparecer esporadicamente.

    Ao espalhar-se pela região pélvica, a dor acaba impondo mudanças na maneira de andar ou até mesmo alterações posturais. Com os joelhos, quadris e tornozelos passando a receber um outro tipo de pressão, cedo ou tarde eles também apresentarão problemas.

    A artrite lombar muitas vezes coexiste com a hérnia de disco ou com a inflamação do nervo ciático. A estenose espinhal ? estreitamento do canal da espinha ? é comum a esses quadros.

    A dor na região lombar associada à dormência, fraqueza, dor ou qualquer outro problema nas pernas geralmente sinaliza a compressão ou irritação de algum nervo, cujas raízes se encontram na coluna vertebral.
    • 16 Abril 2010
  • Você está bem ferrado da coluna. Precisa retornar ao médico, que encaminhará você para RPG, fisioterapia, depois pilates, hidroginástica (controlada)... e perda de peso, que ajuda muito.
    • 16 Abril 2010